quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Advento 24

Partilha é o único sinónimo que o Natal deve ter.


Bom Natal a todos!

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Advento 23

É gira a minha casinha, não é? Por aqui, a casa de gengibre faz parte do Natal. Esta fui eu que montei. Sim, fiz batota e comprei tudo, foi só juntar as peças e passar um bocado de glacé... :D

Advento 22


Filho: Quando é que chega o Menino Jesus?
Pai: Daqui a 35000 anos.

Foto: Stern

Advento 21

Um repetente neste calendário, mas... sempre se vê utilidade em árvores de plástico com cores estranhas... :D :D :D bolachas! bolachas! muitas bolachas!!!

Foto: Facebook.

Advento 20

Numa revista de distribuição gratuita destas bandas vinham os 25 motivos pra se achar o Natal tão bom. Além de ser uma coisa enoooorme, certos pontos são culturais, que se só fazem sentido a quem conhece bem a forma de celebrar dos suíços. No entanto, há pontos que são engraçados e que vale a pena serem publicados... :)

2. Podemos arrancar a cabeça aos Pais-Natal de chocolate.
5. Podemos ouvir Michael Bublé sem ser vergonhoso.
6. Pausa dos smarthphones na Noite de Advento. [ámen!]
9. Bodypump? Aeróbica? Yoga? Parvoíce! Ninguém faz desporto no Natal.
10. Podemos andar de pijama o dia todo.
11. E à noite podemos arranjar-nos mais, embora não se saia de casa.
12. O momento em que, finalmente, podemos abrir os presentes.
15. Ver álbuns de fotos e perceber que nos vestimos melhor agora do que antigamente.
17. Podemos vestir outra vez camisolas kitsch.
18. Comer. Fazer uma caminhada para a digestão e comer outra vez. [so true!]
24. Depois dos dias festivos, podemos gastar o dinheiro que ganhámos no Natal.
25. A ingénua alegria antecipada da passagem de ano (embora se saiba que vai ser metade do que se planeia).

Advento 19

Imaginem-se  arreceber um frasco de detergente da loiça como prenda de Natal...

Foi uma das coisas que a minha mãe recebeu de uma das famílias para quem trabalha. Foram os miúdos que fizeram os flocos de neve para enfiar nas garrafas. Cool, não é?!?!

Advento 18

Os últimos dias têm sido catastróficos... desde perder a chave do carro (recuperei-a no dia seguinte, mas apanhei uma molha para ir buscar a chave de reserva) até ter que faltar hoje ao trabalho para ir ao médico... Por isso é que o calendário esteve parado. No entanto... ainda há tempo de recuperar a coisa. :)

Isto é a segunda capa de uma revista publicada por cá. É um calendário de advento com imagens bem românticas. Um primor daqueles...:)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Advento 17


Peste do gato... :D

Isto é que é dar uma ganda volta!

Isto é assim...
Eu estava em Zurique (quadrado vermelho) e queria ir para o aeroporto (quadrado azul).

Não sei onde estava com a cabeça e apnhei um comboio que só foi parar a Zug (quadrado verde) e apercebi-me a tempo ou ainda ia para a Lugano (fim da linha, no cantão italiano, quase mesmo na Itália).
Como eu ão percebo nada de comboios para aquela zona, na hora de voltar em vez de fazer o percurso inicial (linha rosa) acabei a dar uma volta gigante (linha vermelha).

DUAS HORAS DEPOIS consegui FINALMENTE apanhar o comboio para o aeroporto e fazer o percurso da linha azul!!! Em 32 anos de vida nunca me aconteceu uma destas. De todas a vezes que me enganei a entrar consegui aperceber-me da asneira a tempo, nunca indo parar aonde não queria... Nem comento!

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Advento 16

Meia dúzia de triângulos com motivos de Natal, um tecido de pelúcia, uns pontos para fazer o rosto e... xarããã... um Pai Natal à maneira :)
 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Advento 15


Ele não é nada choné!!!

Advento 14

Ontem o meu servidor resolveu dar-me cabo da cabeça. Por isso ficou por "abrir" a "janela" do dia de ontem. A minha árvore de Natal deste ano. Comprei num supermercado em madeira crua, trazia as tintas e tudo. Mas não segui o exemplo de pintura deles, era demasiado betinho e muito longe da realidade.
O meu fica um pinheirinho de ramos verdinhos, com uma bola aqui e outra acolá, mais uns toques de neve... ai que lindo está. :)

sábado, 13 de dezembro de 2014

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Advento 12

 
Foram hoje enviados. Que isto do Natal atrasa tudo e  ideia é desejar boas festas antes que elas aconteçam... :)
Adoro isto, até os selos são de Natal... :)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Advento 11

Já aqui confessei que me deixo levar pelos brilhos do Natal. Sim, tento esquecer o que há de mau e viver um pouco na fantasia que bons publicistas inventam. Mas é mesmo só um pouco, pois eu raramente compro algo que me apareça numa publicidade de Natal. Os produtos em questão neste vídeo são um exemplo. Além de não serem para o meu bolso, não sou de jóias muito chamativas. Mas se fosse por estes bichos fofos e uma nuvem onde se pode viver... eu passava a vida nas lojas da marca... :)

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Advento 10

E continua a aventura do Pai-Natal dançante frente a um gato caprichoso... :)

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Advento 9

Num website chamado Distractify, encontrei umas fotos do que se pode chamar de Natal piroso. No entanto, achei piada a este penteado. Para uma brincadeira entre colegas, a ideia até pode ser gira...



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Advento 8

Eu lutei contra mim mesma durante cerca de duas semanas, até que não me aguentei mias e comprei um presépio "pop-up". É tão mini... tão fofinho... diferente... ainda que a vaca e o burro tenham um problema anatómico qualquer... :)


domingo, 7 de dezembro de 2014

Advento 7

Hoje já é o segundo Domingo de advento, mas eu ponho aqui uma foto do primeiro. Resolvi fazer uma coroa simples, mas bem betinha. Rosa e cinzento... combinação
fofinha, de riquinho, de betinho... :D :D

Advento 6

Dia de S. Nicolau. Eu fui dar uma volta até Lucerna (Luzern em alemão) e na estação de comboio vi-os todos... Nicolau; Pedro, o preto (o holandeses são tão parvos... aqui há Pedro, o preto, e nunca houve colonização...); até tocadores de chocalhos. Só não percebi quem é o do cesto e o vestido de branco...
À noite, quando regressava a casa, vi um grupo enorme de homens com chocalhos a "chocalharem a cidade". Já estava no carro, em andamento, não deu para perceber o que mais iria acontecer... talvez para a próxima... :)


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Advento 5

Oh pá... o coelho é tão fofo. a muitos falta um amigo destes... :)


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Advento 4

Quem disse que os presépios têm que ser todos iguais?!?!
foto: 38.Media.Tumblr.com

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Advento 3

Hoje depois de vir do neurologista obriguei-me a ir procurar um casaco porque os meus estão a ficar velhotes... curtos... puídos...
Só que...haja depressão!! Tudo preto... por que raio temos que vestir preto no Inverno?!?!? Assim, desisti do casaco e subi mais um andar, podia ser que me animasse olhando para os milhentos tipos de decoração de Natal que existem na secção dedicada à casa.

Eu ando à procura do espírito, mas este ano... acho que nem o Grinch me pega!!! Achei piada a esta bola de Natal. Não que me sirva muito pois a minha árvore já está feita e é pouco maior que a bola... mas pronto... é gira...

Filho de peixe, psicanalista é

Se eu sabia que o Freud tinha tido uma filha... Chamava-se Anna e nasceu a 3 de Dezembro de 1895.
Morreu exactamente um mês antes de eu nascer. E como quem sai aos seus não degenera, dedicou-se à psicanálise.

Por causa dela, os três Googles de maior importância no meio germanístico apresentam-se assim:

Advento 3

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Advento 2

Uma ideia a reter

Se eu alguma vez me lembrei de fazer isto... só no tempo de faculdade e era mesmo só quando comia sozinha. Porque se jantava com o pessoal lá de cas... o mais certo era o meu telemóvel ficar no quarto... não é necessário passar o tempo agarrado a estes aparelhos insuportáveis!



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Advento 1

Confesso, é mais pelos Minions. Que sito de espírito natalício... está longe de mim! Pode ser que venha com o tempo...

Minions go Caroling

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Se toda a violência fosse assim...

Para mim, a roupa da Benetton é roupa de betinhos. Não aprecio o perfume e o logotipo também não é dos meus favoritos. Mas no que respeita a publicidade... É das poucas marcas que consegue há anos satisfazer o meu gosto.

Toda a gente se lembra das fotos a preto e branco ainda no outro milénio, os beijos a cores entre o papa e o imã já neste.
O que eu gosto na Benetton é o choque, o impacto nas nossas mentes se olharmos com olhos de ver. Sim, sim, eles criam polémica para ganharem visibilidade... acham mesmo?!?! Eu acabei de dizer que adoro a publicidade deles e não visto nada da marca... assim... para quem aprecia publicidade ou mensagens subliminares, a Benetton é muito mais do que vender roupa...

Há bocadinho, através da página da revista Stern descobri que hoje, é o dia Internacional Contra a Violência. E a Benetton não deixou passar em branco. Eu li o artigo antes de ver o vídeo, por isso sabia como se ia desenrolar. No entanto... arrepiei-me como se nada soubesse.

Goste-se da marca ou não. Goste-se de polémica ou não. Goste-se de publicidade ou não. Este vídeo não deixa ninguém indiferente.
A mim deu-me pele de galinha e trouxe-me as lágrimas aos olhos. Brutal!



segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Mais uma etapa em que mereço palmas pela paciência!

Pode vir Deus à Terra dizer-me o contrário, mas para mim será sempre assim:
abre-se o pisca com tempo, olha-se a ver se há algo que impeça  manobra e, caso não haja, segue-se em frente.
Um pisca é um aviso para os outros tomarem as devidas precauções. De que adianta olhar, piscar e seguir?!? Na hora em que olho pode não haver ninguém, mas na hora em que viro pode haver. Ou será que estou assim tão errada?!?!?

Eu fui aprovada no exame de condução. Mas... é preciso ter estômago e muito sangue frio para não esmurrar o bigodes que me avaliou! Primeira MERDA que ele faz: não põe o cinto durante o exame. Como é que é?!?!?!? Ele tem algum poder a mais do que eu?!?!

Mandou-me levantar a mudança para terceira quando eu nem a 30km ia (aqui há muitas zonas de 20 e 30km por hora [o que evita que estes animais se matem um pouco menos]).

Mandou-me levantar mudança para quinta quando estava quase a chegar aos 60km. Que mudança usa aquele homem para chegar aos 120km na autoestrada?!?!

No fim do exame disse que eu tive uma parte do percurso em que fui muito lenta. Sabem como é a estrada que liga o Caramulo a Campo de Besteiros? Ou da nascente do Mondego até Seia? Pronto, imaginem mais apertado, com curvas em forma de ferradura bem fechada, mais a pique e sem rail... agora digam-me: 60km por hora para quem passa pela primeira vez por ali é andar devagar!?!?

A sério que eu fui avaliada por um tipo assim?!?!? A sério que ele desatou aos berros comigo no fim do exame?!?!? Eu fiz quase 4000km desde Setembro até ontem (só no Sábado foram à volta de 200), nunca tive problemas com nada nem ninguém e estes cromos querem-me rebentar com o sistema nervoso?!?!?

Eles que têm uma palavra para cada coisa deveriam ter os conceitos de velocidade excessiva e excesso de velocidade e a partir daí eu já começaria a falar a mesma língua que eles. Até lá... vou continuar a conduzir como faço desde Julho de 2004, pois não me tem dado dores de cabeça nenhumas!

Ah! E para quem pensa que isto já acabou... não.... ainda faltam mais umas coisas que eu nem sei muito bem se servem para mais alguma coisa além de me fazerem gastar dinheiro!!

O homem...

e não a cidade!

Hoje o .ch e o .de assinalam o aniversário de Toulouse-Lautrec.
Faz hoje 150 anos que nasceu o litógrafo Henri Marie Raymond de Toulouse-Lautrec-Monfa (haja nome de rei!).


domingo, 9 de novembro de 2014

Aniversários

O doodle do .ch é um querido comigo, é a "pensar" em mim. Estes desenhos... acho que ainda não o tinha visto.


Mas o doodle mais marcante é mesmo o do .de (e outros) que assinalam o 25.º aniversário da Queda do Muro de Berlim.



Eu fiquei espantada por haver em tantos sítios do mundo um pedaço desta história, mas ainda por perceber que só em Portugal é que o pedaço está tapado com um vidro...

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Voar

Em alemão os verbos podem confundir-se com nomes, com plurais de nomes... Mas como eles, ao contrário dos anormais que resolveram passar os nomes próprios de tanta coisa em Português para nomes comuns, usam maiúscula para todos os substantivos. Aí torna-se um bocadinho mais simples. Mas não completamente, imaginemos que as coisas, por um motivo ou por outro estão escritas em garrafais...

Então, ao procurar a palavra FLIEGEN podemos encontrar vôo, voar, moscas, fugir... uma língua bué da fácil, não?!?!
Pois bem, tirando as moscas, o tema da exposição de abóboras em Seegraben, este ano, era nada mais nada menos do que Fliegen: Voar.


 
A minha mãe que tinha lá ido com uma amiga vinha confundida. Como é que os cogumelos se relacionavam com voar. A inocente!!! Como é que ela não pensou em cogumelos mágicos?!?

 
A águia mão precisa de esclarecimentos, não é mesmo?!?! A abóbora ao lado nem era das maiores tinha só à volta de 300 kg. Comparada com a campeã da Europa (mais de 1000km) é uma anã! 
 
 
Uma outra estátua que nem ela, nem eu, nem quem foi com ela ou comigo entendeu foi a do pianoforte. Eu ainda pensei, numa onda mais lírica, que tivesse a ver com o som do piano que nos faz voar. Nada a ver! Afinal tem mesmo a ver com questões de nomenclatura... Para nós aquilo é um piano de cauda. Para os falantes de alemão é qualquer coisa como "piano de asa"! (Klavier é o nome que eles usam para um piano sem serem específicos, para o de cuada usam simplesmente a palavra Flügel [asa]).
 
 
Do avião gostei de dois pormenores: ser um verdadeiro avião suíço e os aviadores... é o não é um pormenor de se lhe tirar o chapéu?!?! 


E pronto... mais uma daquele cantinho que eu não me farto de visitar...




quinta-feira, 6 de novembro de 2014

E paga-se uma aula para isto...

Quem pensa que me conhece acha que eu sou uma rebelde que vai contra todas as regras. Já lá vai o tempo em que era!!...
De há uns anos para cá a coisa mudou. Não, não me tornei conformista. Simplesmente percebi que há regras que não vale a pena, de todo, quebrar. Assim, só em contextos muito específicos é que, por exemplo, me vêem a desrespeitar regras de trânsito (onde não ponho ninguém em risco, isto é, a estrada está vazia, ou em sítios onde a sinalética simplesmente é ridículo... ai aquele STOP ao pé de minha casa!!...).

Ainda há umas semanas, resolvi ir até ao Porto. Nunca lá tinha estado com tempo e queria estar com uma colega. Fiquei de passar na Régua para a ir buscar e depois seguiríamos para a Invicta. Ela disse-me precisas de cerca de uma hora para chegar. Depois pensou melhor e disse para ti é preciso coisa de 1h15. Eu tenho o pé mais pesado. Pois, como ela me conhece, sabe que eu só arrisco onde sei que posso fazê-lo. Como a A24 era mundo novo para mim... ela sabia que eu não me iria esticar...

E é assim que eu sou. Tento poupar nas multas, evitar sustos e acidentes. E é com desespero que eu vejo a data de exame de condução a chegar e os meus conhecimentos de condução a andarem para trás.

Hoje aparece-me um gajo da escola de condução onde eu ando para uma simulação de exame de condução. O carro mal tinha começado a andar já eu tinha problemas.
Num cruzamento, estou eu a chegar e está um otário à minha direita que tem prioridade independentemente do sítio para onde vai, pois ele está pela direita.
Como não se mexe, chega um pela minha esquerda e a prioridade fica toda bloqueada pois:
- o da minha direita quer ir para  minha esquerda, mas fica bloqueado pelo da minha esquerda;
- eu quero ir em frente mas fico bloqueada pelo da minha direita;
- da minha esquerda quer ir para a minha direita, mas fica bloqueado por mim.

Se o otário da direita se tinha mexido, ele tinha passado, depois passava eu e depois o que chegou mais tarde iria ter tempo de passar sem esperar. Mas como aqui é uma cambada de nabos que só deveriam conduzir carroças...

Vira-se o tal do instrutor-simulador-de-examinador, ah aqui nós temos que fazer sinal com as mãos. Mas que raio?!?! Porquê? pensei eu.
O da minha esquerda mexeu-se, meteu-se a tralhão e passou à frente e a coisa arranjou-se. Mas aquilo ficou-me a bater na cabeça.... por que raio teria eu que fazer sinal? Se o da direita tinha sido competente não tínhamos ficado encravados.

Vamos andando e ele começa a dizer o que eu devo fazer ou não. Algumas coisas contrárias ao que a minha instrutora tinha dito antes!!!!!!!!! Mas a pergunta que começava a surgir na cabeça era: se ele é um simulador de examinador, quer dizer que o examinador não se cala no exame?!?!

Mas ele começa com picuinhices que eu não consigo compreender e ainda tenho a coisa de fazer sinal com a mão na cabeça. E ele manda-me parar para me explicar a regra, mas a regra eu até a sei, só não percebo cada vez menos quem é o nós por que raio é que nós temos que fazer sinal e mais não sei o quê.

Ah não podes pensar tanto, diz-me ele. Eu explico-te o problema depois. Mas que raio, como é que se pode passar à frente dos problemas até haver uma vaga para esclarecer?!?!? Mas continua-se a debater a coisa: ah porque tu não tens que fazer sinal com a mão. Então... nós não implica eu?!?!? Se nós temos que fazer sinal, eu não tenho que fazer sinal?!?? Resultado, eles é que têm que fazer sinal... Resultado... eu percebo melhor chinês falado por um japonês com dislexia e paralisia cerebral! 

Mas como se eu não estivesse enervada o suficiente, ele, por causa de uma merda que ninguéééééééém faz, vira-se e diz: tu és contra as regras! Foi a gota de água. Eu já tinha o carro parado para ouvir a explicação do que não tem explicação (ou é ou não é, porque regra de prioridade não é filosofia). Desliguei o motor e saltei fora do carro. Ah para onde vais. Eu? Eu vou a pé que já estou farta desta conversa.

Eu tenho dar o tudo por tudo para conduzir à maneira deles. Só sei que há dias a minha mãe me mandou um berro a perguntar o que estava eu a fazer... pois bem... eu estava a conduzir à suíço... E este otário que não me conhece de lado nenhum diz-me que eu sou contra as regras?!?! Que não respeito a lei?!?!

E além destas coisas lindas todas ainda remata com a bela pérola: a teoria é separada da prática. Pois... agora está explicado por que raio quem está pela direita perde prioridade, quem está pela esquerda provoca acidentes porque entra quando não tem prioridade, por que raio eu ia sendo atropelada por uma bicicleta que não parou num vermelho e eu a meter-me à passadeira não levei com o gajo por pouco.

Mas pronto... enquanto a minha instrutora primeiro me perguntava o que se tinha passado, mas depois já me dizia não estive lá, não penses tanto, um cromo, ao estacionar mesmo junto a nós, bate com o carro...

Pois, os suíços conduzem muito bem, rematei eu antes de virar costas...

domingo, 2 de novembro de 2014

A dor da injustiça

Há praticamente dois anos que tenho que tomar as injecções. Por vezes pergunto-me se serve de alguma coisa, já que novas crises têm aparecido, mas... como os efeitos secundários imediatos se estão a tornar cada vez mais fracos, tenho tolerado o facto de as injecções me condicionarem imeeeeeeeeenso as férias.
Só que hoje... hoje eu chorei de dor como não chorava há anos! Nunca em toda a minha vida eu tive uma dor tão má, tão forte, tão profunda como a que tive hoje ao injectar o interferão da semana. Há quase uma hora e porra da perna ainda me dói!!!

Já aqui desabafei antes sobre o momento de solidão e tristeza que é o tempo de me injectar. Mas hoje revoltei-me. E por mais incrível que pareça, não foi com a doença que me revoltei. Foi com as pessoas. Algumas pessoas com o passar do tempo parecem duvidar que eu tenha alguma doença. Como disse antes, não quero ser a coitadinha, mas acharem que eu inventei esta doença...

Pensam o quê? Que eu tenho prazer em ter as pernas todas roxas depois de cada injecção? Que eu adoro a sensação de ressaca com gripe (foi a melhor definição que encontrei para explicar o dia seguinte)?

Ou será que por eu não ter uma perna partida, um braço ao peito já não estou doente? Quantas doenças há que não se vêem?!?!?

Ou ainda, como eu decidi enfrentar a vida de frente e (tentar) não ir abaixo significa que não estou doente?!? Será que devia ter feito o que um colega meu me recomendou?!?! Será que eu deveria, como ele me disse, tentar sacar uma pensão, quando ainda sou capaz de pagar o meu sustento?

Há já um tempo que me sentia um bocado frustrada por me aperceber que as pessoas pensam que estou a fazer cena. Mas depois de uma dor destas... a raiva subiu cá acima...

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

BuuUuuUuuuUuuu!

Alguém foi simpático e reuniu todos os doodles do dia de hoje que estão a passar pelo menos no .ch, no .de, no .at só o .li é que é sempre o mesmo marasmo... :p
No .pt só tem o miúdo a fugir ao fantasma que por sua vez foge do cão... :D


 
Muitas travessuras para todos! :)

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Dos exageros

A viver em Lisboa aconteceu-me de tudo, foram cabelos puxados, mamas apalpadas, rabos apertados, mesmo em plena luz do dia. Assédio não faltou, não me agradou, mas não deixei que me impossibilitasse de andar na rua...
Também houve as piadolas, os assobios, os piropos. Isso, na grande maioria das vezes, fazia-me sorrir e seguir em frente. Eram coisas saídas da boca para fora, sem ordinarices, nem no vocabulário, nem no tom. Lembro-me de uma vez ir a subir ali uma rua paralela à Av. de Roma, num bairro chique e dois homens que vinham no sentido inverso pararem a olhar meios babados para mim. Um dele diz: ai minha nossa senhora. Benza-a Deus! Oh pá... eu tive que correr para não me rir à gargalhada do comentário do senhor.

Apanhei ontem um vídeo no livro das caras deveras interessante. Num minuto e pouco tentava-se provar como centenas de homens assediaram uma mulher numa caminhada de cerca de 10 horas pelos diversos quarteirões de Nova Iorque.
Cheguei ao fim e senti-me enganada. Das duas uma, ou os americanos são ainda mais parvos do que eu pensava ou eu tenho uma noção de assédio bem diferente dos Amis.
Será que eu neste vídeo praticamente só vi gente que ladra mas não morde? Será que alguns destes ao receberem um resposta positiva aos seus convites iriam seguir mesmo em frente? Ou iam fugir com o rabo entre as pernas como numa cena de Sexo e Cidade? (é a Miranda que anda desesperada por sexo [às vezes aquelas personagens davam-me pena e nojo] e dá resposta a um homem das obras que lhe tira piropos há muito tempo ao que ele reage com um simples eu sou casado. E lá vai ela desconsolada para casa!)

Numa outra publicação no livro das caras, li uma notícia que eu demoreeeeeeeeeeeei a entender! Um canal de televisão pedi desculpas por o seu pivô ter estado a falar de um ataque de hooligans com uma camisa castanha. Eu não gosto de roupa castanha, mas daí a achar que precisa de um pedido de desculpas. Até que caiu a ficha!!! As camisas dos nazis eram castanhas! Siiiiiiiiiiiiiiiiim. Há gente que ao ver o telejornal prefere associar a cor da camisa de um jornalista aos nazis em vez de tentar compreender o comportamento dos hooligans. Cruzes... se essa gente sabe que eu acho os uniformes desenhos pelo senhor Hugo Boss uma obra de arte (tirando aqueles foles nas calças)... que é que me irão chamar?!?!? Eu sei separar a estética de um estilista (é dos meus favoritos ainda hoje, têm roupa que se pode vestir sem se parecer um espantalho!) de um chanfrado que resolveu matar toda  gente. Sei separar um jornalista do século XXI com camisa castanha de um época que há muito já não é a dele...

Bolas.... e era eu  exagerada!



sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Choco

Desde o início da semana que não paro de comer Mon Cherri. Ando cá uma lambona... Se não me ponho a pau rebento com o meu colesterol que estava dentro dos limites legais há coisa de duas semanas!

Agora andava a arrumar mais umas fotos no computador e encontrei uns grafitis. Resolvi colocar aqui três que estão soltos e que se relacionam em tudo com o meu estado de gula... :)

Ora bem, cartaz publicitário ao quiosque perto do ponto de encontro dos grafitters. Sim, é um grafiti dentro de um suporte publicitário.


Aqui é um stencil (acho que é assim que se chama) que fizeram há buééééééé na estação de comboio aqui ao pé de casa. Achei-os tão fofinhos. E além disso gostei de ver uma silhueta bem delineada, com pormenor (por isso fotografei a "mãe")


 
Como se relaciona comigo? Simples: chocolates (do quiosque ou outro sítio qualquer) em exagero (vezes três, por exemplo) podem levar a que eu fique gorda como um elefante. Relação de ideias genial, não?!?!? (Preciso de férias)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Do princípio da boa educação

Há dias estive na tugolândia e a minha Maria meteu-me numa enrascada. Como ela não podia ir, pediu-me que fosse representá-la numa exposição de trabalhos manuais. Ela há-de pagar com juros a seca que apanhei numa coisa onde eu nunca tinha posto os pés e onde não pretendo voltar.

Eu ia mais do que consciente que não ia vender nada. Os artigos são caros (materiais e horas de trabalho!) e a crise... essa desculpa serve para tudo até para gabar os trapos da minha Maria, mas seguirem em frente. Eu estava a dividir a barraca com alguém que tinha objectos utilitários e, por isso, teve mais sorte no negócio. Assim, na minha barraca havia sempre algum movimento.

No entanto, era eu a que mais tempo passava na barraca (eu já disse que a minha mãe mas paga?!?!) e, por isso, tinha mais tempo para apreciar as pessoas que por ali passavam.

PrimeiroS: as pessoas não estão deprimidas. Simplesmente estão preguiçosas para encontrar qualquer coisa de interessante. Passavam amorfas, sem vida nos olhos, mãos enfiadas nos bolsos, sem ânimo. Mas não é sem ânimo porque desanimaram. É sem ânimo porque se acomodaram a ser para baixo.

Ai  isso deixou-me deprimida! Se a minha vida é uma telenovela-mexicana-do-mais-reles-e-barata-possível e eu mesmo assim ainda me tento surpreender com algo todos os dias... por que raio não fazem o mesmo as outras pessoas? E se não querem animar, estão no seu direito. Mas ao menos que não saiam de casa para não desmotivar os outros!!!

SegundoSS. Onde é que anda a boa educação dos portugueses?!?!?!?
Eu, sentada ou em pé, na frente ou dentro da barraca, lá ia sorrindo às pessoas e dizendo boa tarde ou boa noite. Poucos, muito poucos, muitíssimo pouquíssimos me responderam. Alguns dos que não me responderam ainda tinham a coragem de olhar para mim como se eu tivesse um terceiro olho na testa.

Isso já me deixou transtornada!!!

TerceiroSSS: comentei com algumas pessoas o facto de achar que as pessoas estão mais carrancudas, que não respondem a um cumprimento muito simples. Sabem a resposta? Não digas nada. Hã?!?!? Eu sabia que não ia vender, mas... quem quer vender deve, no mínimo, fazer uma saudação a quem passa. Eu não vendia (mesmo sem esse objectivo) mas um cumprimento ainda não paga imposto...

Aí já fiquei... alucinada!!!

Agora compreendo um senhor na tabacaria junto ao Luanda aí há uns 10 anos... eu entrei e cumprimentei. Não me esquece, era manhã de Domingo de Ramos. Eu tinha ido comprar o jornal que era para ler no avião, pois daí a umas horas iria embarcar para vir de férias para a Suíça. Lembro-me que estava já algum calor e que eu estava com uma camisola de mangas cavas, de algodão canelado, azul, igual à que tenho vestida neste preciso momento (esta é vermelha). Recordo esse dia de forma tão clara por causa desse tal senhor. Depois de eu cumprimentar os presentes, o vendedor e o tal senhor, de cabelo grisalho, alto, com aura (aquelas pessoas com boa formação e de famílias endinheiradas, mas que são humildes), senti-me deveras desconfortável. O senhor da aura não parava de olhar para mim. Apercebendo-se do meu desconforto pediu-me desculpas e explicou-se. Desculpe estar a olhar para si desta forma, menina. Mas hoje em dia já ninguém cumprimenta.

Na altura ri-me (para dentro) do que ele disse. Achei um exagero, mas nunca esqueci a cara de espanto e as palavras dele. Caramba! O homem tinha razão. A diferença é que eu disse ao senhor, meio acabrunhada, ah eu costumo ser sempre assim e hoje dizem-me não digas também...  

sábado, 27 de setembro de 2014

Novembro de 2009

A grande tela para os grafitters, aqui na cidade, fica na parede de uma empresa de ferro armado.

De tanto em tanto tempo vão lá pintar aquilo e é um espetáculo digno de se ver.
Eu vou começar por publicar as fotos mais antigas, no caso de 2009. De todos os trabalhos, para mim este foi o melhor de sempre. Pois todo o mural era... uau!

Mas ao colocar as fotos da parede gigante, coloco também as fotos da casa onde eles se reúnem, ou guardam as coisa ou sei lá... Tenho para aí fotos antigas, feitas ainda pela minha mãe. É interessante ver como os anos passam e certas coisas não mudam!


 
 

 Aqui fica a sequência dos graffitis e fotografei o camião de propósito, para se ver a escala!

Detalhe da lua onde o ciborgue (?) está. Se não fossem os tijolos... quase que dava para acreditar que era uma foto!

 
Detalhes de assinaturas e agradecimentos.

 
E a tal barraca que também vai mudando de cor. Neste sítio não há problemas com infiltrações e bolores... à tinta que tem em cima, nem que chovesse todo o dia, todos os dias do ano...

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Jona

Há muito tempo que eu sabia que havia duas grandes exposições de abóboras na Suíça. Mas como Jona fica muito longe (noutro cantão, inclusivamente) acabo sempre por ver mais perto de casa.

Este ano proporcionou-se eu poder passar lá. Ainda quero ver se vou ver a exposição em Seegräben, mas até lá fica aqui o tema do Mar. :)

 Algumas estátuas estavam atrás de redes, por isso não ficaram muito bem fotografadas (ou era assim ou era com rede no meio).


O carro faz anúncio ao dia da pesagem de abóboras que será lá para Outubro. 
Esta é uma das casa aproveitadas para servir refeições, para mim serviu para fugir da chuva.
Eu acho que quem fez esta baleia devia ser daltónico... então não é que chama a isto de baleia azul e usam abóboras verdes?!?!?!
Duas fotos bem literárias... a Ariel e quase de certeza que é numa destas cabaças que  a velhota vai fugir ao lobo.. :D
O polvo da entrada era mais magrinho que isto...  



 
Esta gente para fazer dinheiro... agora arranjam-se umas coisas eu facilitam a nossa vida a construir as abóboras de Halloween. Pernas, braços, olhos, bocas fluorescentes, olhos arregalados... tudo para ajudar os menos hábeis... :D

 
A segunda abóbora não tem a cara artificial. Ao que parece, foi o melhor escultor de abóboras que as fez..

 
 A mais pequena da festa (que eu visse) e o carpinteiro desajeitado.
 
 
Acidentes de trabalho só acontecem a quem trabalha, quem não trabalha... leva um raspanete do patrão... :D


 Por fim, um cantinho do lago de Zurique, mas já no cantão St. Gallen. Foi a primeira a ser feita e mostra  o contraste de menos de duas horas: Sol radioso versus chuva torrencial e um céu bem cinzentão. Aquilo é que foi fugir da chuva... ninguém respeitava a proibição de circular com o carro, ninguém quis saber se tinha pago parque e já não o estava a usar...

A ver se tenho mais sorte na outra exposição que tem o tema Céu ou Vôo ou algo do género...